Saturday, September 16, 2006

Jiban - O homem de aço

Jiban
Kidou Keiji Jiban
Policial Móvel Jiban
Produção: Toei Company, 1989
Episódios: 52 p/ tv
Criação: Saburo Hatte
Exibição no Japão: Tv Asahi (?-?)
Exibição no Brasil: Manchete
Distribuição: Top Tape
Última Atualização: 13/05/2006

Por Larc Yasha

“Esta é a história das aventuras de um jovem e de uma garota que partilham fraternidade em defesa da justiça pela humanidade.”

Essa era a frase narrada na versão brasileira que iniciava as aventuras de um dos tokusatsus mais famosos do Brasil: O Policial de Aço Jiban. Produzido em 1989 pela Toei Company, Jiban faz parte da linhagem dos Metal Heroes (iniciada com Gaban em 1982 e que conta com Jaspion como representante mais forte na tv brasileira – ainda que TODOS os metal heroes produzidos na década de 80 tenham sido lançados aqui- e conseguiu chamar um pouco de atenção no Japão, por conta de um “pequeno” detalhe chamado Robocop.

Não adianta insistir e defender a originalidade da série: Jiban é uma variante (só pra não dizer cópia) do policial enlatado de Detroit. Lançado em 1987 nos cinemas, Robocop fez bastante sucesso não só nos EUA, mas em outros países onde foi exibido. Estranhamente, mesmo não tendo feito sucesso em 88, Jiraiya viria a ganhar uma continuação em 89, conforme uma certa lenda conta. Culpa de uma preguicite mental do “gênio criativo” de Saburo Hatte (que não é uma pessoa, mas sim um grupo que bola idéias pros tokus da Toei)?

Mas (felizmente?) a idéia não vingou, e meio que as pressas, bolaram o roteiro do policial de aço Jiban. Se isso é verdade ou não, não podemos afirmar, mas o fato é que Jiban misteriosamente não tem uma trilha sonora original de fundo (as famosas bgm’s... Que na série foram reaproveitadas de Jaspion e Sharivan) e nem mesmo transformação. Se bem, que essa idéia de reciclar bgm dentro da linha metal heroes é bem natural... Mas as bgm’s recicladas são compensadas pelas boas canções vocais. Os teminhas do auto-canhão e do Leson que o digam ^^ .

Deixando esses detalhes de lado, a produção se esforçou em criar um visual descolado para o herói e seus equipamentos. Mesmo com o “cuecão de aço” do herói parecendo pouco confortável, e armadura na hora da porrada ficar toda “mole”, há de se concordar que a armadura em si é bem estilosa. No ano seguinte, assistiríamos uma evolução desta no seriado Winspector – ou vai dizer que você não lembrou do Jiban, quando a série estreou?! O carrão do herói, e a moto também se destacam tal como os equipamentos multi-utilitários que saem do nada (ou você via donde ele tirava o auto-canhão?). A desejar – na minha visão particular - só mesmo o jatinho (apertaaaaado... Só cabia ele mesmo), o visual da secretíssima base do Jiban (a qual ficavamos aflitíssimos ao longo da série, temendo que os vilões a descobrissem... ) e o vilão da série. Interpretado pelo ator Leo Mengheti, Jean Marrie (nome brazuca... No Japão é Kiba! Donde tiraram esse nome hein? Ainda bem que não tinha uma Drª... Já pensou? Dr. Jean Marrie e Drª. Joana Darc?) tinha um visual bem pouco ameaçador (todo branco, com óculos escuros ¬¬) e o que dava medo era sua mania de gesticular!

Os monstros da série, tinham umas fantasias bem feitas, e quem assinou o visual dos mesmos foi o renomado Keita Amemiya, que também supervisionou os efeitos especiais da série – chic né? Ah... Tal como Jiban, os vilões contavam com uma base secreta de visualzinho bem cafona...

Os roteiristas da série tentaram dosar drama, ação, comédia e aventura de forma igualitária, mas acabaram carregando no suspense. E tem-se a ligeira impressão que os mesmos odiavam o herói! Jiban apanha MUITO. Nem Metalder levou tanta surra como o policial de aço... E no meio da série o cara ainda é morto de forma sádica, cruel, traumatizante e inesquecível!

Jiban fez um sucesso modesto no Japão. Na tentativa de chamar atenção do público, foi chamado para estrelar um episódio da série o ator Hiroshi Kawamoto, que no ano anterior havia interpretado o herói mirin da familia Yamashi, Manabu – o irmão do Jiraiya. O mais curioso, é que Hiroshi fez o papel de Manabu, traçando um paralelo raro em duas séries distintas.

O ator que interpretou o policial Naoto Tamura (Shouhei Hinoshita) havia vivido no próprio Jiraiya o ninja Kamenin Uruha. Outro rosto conhecido do público brasileiro na série, foi o do policial Yanaguida (Akira Ishihama), que fez marcante papel de Dr. Tokimura em Flashman. Mas sem sombra de dúvidas o destaque do elenco, era a atriz Noriko Enokida que fez a policial feminina Yoko. Dando uma de "Lois Lane” para o pobre Jiban, a garota era durona e tinha uma personalidade forte. Quem não se lembra quando ela mandava um “é coisa do Byolon!” mesmo sem saber direito o que era a organização criminosa? Hehehe...

A História
A dupla de detetives Yanaguida e Igarashi estão investigando o caso de misteriosos desaparecimentos de pessoas em regiões remotas do Japão. Em uma de suas missões, eles encontram um bebê abandonado, cujos pais foram sequestrados. O bebê é batizado de Ayumi e passa a ser criada pelo filho do Dr. Igarashi e sua esposa como sua própria filha.

Passam-se anos... As atividades criminosas na cidade de Tokyo estão cada vez mais pesadas e os policiais da Central City estão sempre dispostos a impor a lei. Voltando para casa após o expediente, o policial Naoto Tamura quase é atropelado por um carro em alta velocidade. Fulo da vida, Naoto segue o carro até uma fábrica abandonada e presencia um velho senhor lutando contra um monstro e estranhos homens encapuzados. E o monstro ainda tem em suas mãos, uma garotinha. O senso de policial faz Naoto levantar voz de prisão contra todos.

Naoto acaba morrendo, mas salva a vida do senhor (que na verdade é o renomado cientista Dr. Igarashi) e da menina (neta do cientista: Ayumi). Pouco depois chega ao mesmo local, o policial Yanaguida. Com sua ajuda, Igarashi carrega o corpo de Naoto para um laboratório secreto. Lá, Igarashi se empenha em dar vida ao seu projeto secreto Jiban. Jiban é o nome da única arma capaz de deter a ação da Organização Criminosa Biolon, que está começando a ter ações mais perigosas contra a humanidade. Entretanto, o projeto exigia um homem com condições físicas específicas para agüentar a operação que o transformaria em ciborgue. Mesmo Naoto não sendo o tipo mais “indicado”, para Igarashi o que importava era a coragem demonstrada pelo rapaz ao salvar sua vida. E esse era o elemento principal que Jiban deveria ter.

Mesmo muito ferido, Igarashi se dedica horas afinco na operação de Jiban. Infelizmente o velhinho morre sem dar vida à sua criação. Testemunhando tudo de perto, está sua netinha... Ayumi.
No dia seguinte, Ayumi retorna ao laboratório e começa a pedir incessantemente para que Jiban ressucite. Esse era o último desejo de seu avô, e a garota mal poderia imaginar que sua profunda prece e sua lágrimazinha milagrosa fosse capaz de ativar o funcionamento de Jiban! Ativo e funcional, Jiban se ergue e agora tem uma missão: proteger o bem e a justiça conta Biolon!

Pra Sempre Jibaaaaan!
Falem a verdade: lendo o resuminho acima, até deu vontade de assistir a série né? Hehehehe... Jiban é legal sim. E de certa forma surpreende no andamento da série. Naoto volta a sua rotina de policial, mas foca todo seu trabalho para duas linhas: combater Biolon e encontrar sua irmã desaparecida. Como Jiban, Naoto dispõe da ajuda de Ayumi, do robô Bóris (uma caixinha de leite preta com uma lâmpada vermelha no meio @_@) e os veículos Leson (carro), Bykan (moto zero-bala!) e Spyraz (jatinho de brinquedo). Mais tarde, Jiban tem o “azar” (hehehe) de receber de um cientista que ele salvou, o robôzinho Halley, que fica na Base Secreta assistindo televisão (^^’ o monitor do quartinho) com Ayumi – e rivalizando com ela na disputa de “Troféu Eu sou + Mala”.

Já na pele de Naoto, Jiban adota uma postura de “sou um bobalhão” para não despertar a suspeita sob sua identidade secreta em seus amigos (os policiais Yoko Kataguire, Seishi Muramatsu e a tapada chefe Samantha – que não entende nunca o que é Biolon, chegando a confundir o nome da organização criminosa com... Violão! Hilário! Deve ser a mãe da Patrine ^^’).

Na hora da ação, Jiban sempre faz uma cerimoniazinha que dava um tom singular as lutas do herói contra o monstro do dia: ele sacava da sua barriga (O.O) um distintivo (que parece a pokeagenda do Ash) e lia as cláusulas penais de um tal código de lei marcial que ele mesmo impunha... Após a leitura do mesmo, Jiban partia pro pau (e apanhaaaaava) e terminava a luta da mesma forma que todos os metal-heroes anteriores (menos o Metalder): com uma espada Laser. Uhm... Falando em espada laser, a espada do cara era a pistola dele (a Maximilion... Modos Gun e espada). Na hora de usar a espada, puseram a clássica BGM dos policiais do espaço na hora de usarem suas espadas na dimensão paralela do mal...

Bom, agora vamos falar do Biolon. Jean Marrie ordena suas agentes Marshal e Kenon a fazer planos bastante... Ahn... Curiosos. Num deles, eles fazem chover dinheiro... No outro, as verduras se voltam contra a humanidade... Enfim, Jean Marrie deve ter visto os planos do Professor Q do Bicrossers. Mesmo assim, ele é teimoso, insistente e inteligente – ok... Nem tanto assim, pois se o fosse teria apagado os pokémons pré-históricos Rubby e Mug que ficam azucrinando Marshal e Kenon ¬¬’.

Reparando que Jiban se empenhava bastante em salvar a vida de Ayumi, Jean Marrie a sequestra e implanta em seu dedo um anel-bomba (viva \o/). Se Ayumi se aproximasse de Jiban, ambos explodiriam. Se Ayumi contasse sobre o anel, Jean Marrie a explodiria via caixinha preta com botão e lampâdinha vermelha (o.o todo toku tem um aparelho desse... Queria saber o que é ^^). Sádico né? Hehehehe... Pra completar, o cara ainda ameaça os pais da garotinha. A mala sem alça então foge e se joga de uma cachoeira – pra desespero de Jiban, e alegria do telespectador. Ayumi acaba perdendo a memória e sendo “adotada” como irmã de um cara chamada Ryu, que a chama de Midori.

E Jean Marrie não sossega! Depois de atacar Ayumi, o cientista desenvolve um ciborgue-orgânico a partir das propriedades de uma tal Flor de Lótus da Índia e da análise da força de Jiban. O nome do ciborgue: MADOGARBO. Nasce então o maior pesadelo de Jiban (e um dos vilões – no caso, vilã – mais osso-duro dos tokusatsus...).

Jiban / Naoto se empenha em encontrar Ayumi. Mas Madogarbo (uma verdadeira anti-Jiban) espanca muito o policial (as vezes eu desligava a tevê pra não ver isso U_U). Espanca tanto que consegue matá-lo covardemente ao por do sol na pedreira da Toei. Pra vocês terem noção, alem da Garbo, tinha um monstro foderoso e uma tal Rainha Cosmos (que veio do espaço e queria conquistar a Terra também... Aliás, a produção da série tava tão preocupada em matar o Jiban que, deram de fantasia pra Rainha uma roupa cafona dos anos 80 @_@). Assistindo tudo, estava Yoko... E milhares de crianças hipnotizadas que viam Jiban na Manchete, tendo o braço arrancando e a estrelinha no peito (era a estrelinha no peito da justiça T_T) se apagar e ser furada pela espada de vidro (ou acrílico?) da Madogarbo...

No episódio seguinte, Jiban ressucita (de forma bem esquisita por sinal...) e volta com novos poderes (o poder Braquial, a Agulha Giratória e o Auto Canhão!) para salvar seus amigos Yoko e Seishi (que só não morreram por causa da clássica enbromation de vilões). Mais foda e imponente que nunca, Jiban ainda dava uns moles (¬¬ acreditem... Ele ainda apanhava da Garbo! Mas a muieh era meio covarde) e descobre umas coisas bem interessantes sobre sua irmã: ela é a Ayumi (dãã... O público descobriu isso bem antes).

Falando na mala sem alça, ela recupera a memória e é sequestrada por Biolon. Tenta fugir com Rubby e Mugy mas é burramente recapturada tentando salvar os “amiguinhos”. No último episódio visto no Brasil, Jean Marrie consegue roubar os planos secretos do Projeto Jiban e transforma Madogarbo num Jiban! Jiban vence a falsa Jiban (depois de muuuuito levar, até mesmo dos seus veículos!) que foge.

O FINAL INÉDITO
Bom... A série não teve seus dois últimos episódios exibidos no Brasil. Culpa de quem? Não dá pra saber... Mas aposto que foi da Manchete! Bem.. Como a série nunca mais deve ser exibida na tevê, eu irei contar agora o que consegui entender assistindo à uma compilação dos 2 últimos episódios da série em japonês (sim ^^’ O Larc é maluco). O mais f*da é que esses são os dois melhores episódios da série ¬¬.

De posse do Projeto Jiban, Jean Marrie descobre a localização da base secreta do policial. Claro e óbvio que o sádico vilão manda um míssil do tamanho de um ônibus espacial pra explodir tudo. Na base, o robô Halley Boris (ambos se fundiram) e Yanaguida ficam esperando o míssil chegar (O_O É... Eles não fogem!). Ah... Isso ao som da BGM da espada laser dos policiais do espaço (não adianta! Eu adoro essa música :P). Naoto chega na base e vê tudo destruido. Halley apaga (viva \o/) e Yanaguida morre nos braços de Naoto. Aparentemente, eles ficaram na base, para que os veículos não fossem destruídos...

Jiban e seus veículos pensantes (Sim... Todos “falam” com ele!) juram vingar-se de Biolon pela morte de seus amigos e resgatar Ayumi. Jiban chama então por Daidaloz (um espécie de mochila-foguete portátil que vira canhão duplo... O Robocop ganha uma parecida no 3º filme! Ou seja... O Robocop imitou o Jiban também!!!) e voa para base secreta de Biolon (não sei como ele descobriu o esconderijo...). Com o auto-canhão, Jiban sai destruindo tudo sem dó nem piedade! Madogarbo surge em sua frente... É hora da batalha final!

Jiban lê seu código penal pra Madogarbo (Acreditem... Apesar de sempre fazer isso, a BGM casa perfeitamente com o momento, deixando-o legal) e começa a duelar com sua espada contra ela. Garbo, finca a espada em Jiban, mas Jiban faz o mesmo com ela! A epada Maximilion atravessa o corpo de Madogarbo, que ainda leva um golpe e explode. Mas a anti-Jiban levanta e tenta atacar o herói outra vez. Jiban saca o auto-canhão (a polícia do Rio precisa de um desses!) e explode com Garbo de vez. Particularmente, esse duelo final deixa a desejar.... Tal como o de Black contra Shadow Moon... Mas enfim, vamos continuar...


Jiban entra no quartinho de Jean Marrie (que é muito mal decorado! Clodovil cortaria os pulsos de tanto mal-gosto!) e testemunha a morte de Marshal e Kenon pelas mãos de Jean Marrie. E as vilãs ainda clamam por suas vidas à Jiban... Jean Marrie vira então um monstro feioso, chamado Kibanoid (no Japão, o nome do cara é Dr. Kiba... Se adaptarmos o nome brazuca... Ahn... Marrinoid? Eca!). Uma curiosidade: Jean Marrie é fruto de experiências mal sucedidas de Igarashi. Por conta disso, o velhote sabia tanto sobre a ameaça que Biolon representava e por isso se empenhou em criar a arma anti-Biolon: Jiban.

A porrada se desenrola e os veículos de Jiban passam por Yoko na rua, indo em direção à base de Biolon. Claro que a policial vai atrás dos mesmos! Leson e Bykan são explodidos por Jean Marrie – que peninha – e nem o poder de Auto-canhão é capaz de dar cabo em Kibanoid. O Jean Marie monstruoso foge numa navezona bem feia e Jiban vai atrás com Spyraz. O herói da um salto e se agarra na nevezona, enquanto Kibanoid explode Spyraz (putz!).

Yoko chega na Pedreira da Toei (e sai pela porta errada do carro! Uma gafe tremenda... Ela tava dirigindo e sai pela porta do carona!!!), ao mesmo tempo que Jiban entra na nave e vê Ayumi e Kibanoid. Usando a garota como escudo, Kibanoid tenta derrotar o policial de aço, mas graças aos laços que unem Jiban e Ayumi, o herói sente segurança para atacar o vilão sem medo de ferir a garota. Ayumi é libertada e Jean Marie toma uma espadada no seu ventre. Jiban sai com Daidaloz da nave e deixa Ayumi nas mãos de Yoko. Depois retorna para impedir que Kibanoid ative mísseis apontados para Tokyo. Jiban bate na criatura e tenta explodir o controle da nave com o auto-canhão – que é destruído por Kibanóid O_O - o cara destrói tudo do Jiban! Porquê não conseguiu acabar com a Ayumi ¬¬?.
O incêndio faz a nave entrar em colapso e explodir numa maquete de montanha feita de ispor (hehehe).

Jiban surge do alto de uma colina cheia de fumaça e corre para os braços de Ayumi. Missão cumprida: Biolon foi destruído! Jiban prefere se afastar de Ayumi e do casal Igarashi (os pais adotivos dela) e sai pelo mundo solitário. Assim acaba a saga do Policial de Aço.

Ufa... cansei ^^’

Jiban no Brasil
Importada pela Top Tape – que viu os lucros absurdos que a Everest Video teve com a venda dos LP’s do Jaspion e Changeman prensados por ela – a série veio juntamente com Jiraiya e Lion Man para o Brasil. Estreou em 1991 e saiu do ar já no ano seguinte com poucas reprises. Foram lançados 28 episódios em VHS (7 fitas de vídeo) pela Top além de um LP com musiquinhas bizarras – com exceção, claro, para as versões em português da abertura e encerramentos que não ganharam versões integrais- infelizmente ?

Na época, Robocop fazia sucesso no Brasil e Jiban acabou ganhando a fama de “Robocop japonês” devido as muitas coincidências de ambas histórias. Apesar de Robocop ser mais bem acabado, a criançada na época gostava mais era do enlatado japonês mesmo! A Glaslite lançou uma coleção de brinquedos (com destaque para a pistola Maximilion... Sonho de consumo de muita criança no natal de 91!) que vendeu bastante como tudo que é brinquedo de tokusatsu que a empresa lançou.

A versão brasileira da série ficou à cargo da Álamo que fez um bom trabalho. Destaque para o falecido Carlos Laranjeiras, que dublou o Jiban e também foi o JJ de Zillion e o Blue Flash. Sem dúvidas, um grande dublador. A versão brasileira dos temas de abertura e encerramento (por mais incrível que possa parecer!) ficaram mais legais que as originais!!! Tá legal que Akira Kushida (que veio ao Brasil já) tem uma baita voz... Mas o joão ninguém que cantou a música em português merece uma salva de palmas por conseguir fazer um trabalho contagiante.

Sobre os misterioso sumiço dos dois últimos episódios da série... Bom, a Top Tape trouxe Jiraiya e Lion Man (o laranja) completos. Por que não teria trago Jiban? Se não trouxe, a razão provavelmente era o infeliz nº de episódios da série... 52 episódios rendem 10 fitas masters com 5 capitulos e mais uma com apenas 2. Sendo que a Toei cobra por 5 o mesmo que por 2! E como distribuidora brazuca tava mais interessada em faturar din din na época... Bom, não podemos saber. O que sabemos, é que Jiban é um seriado bacaninha, que deixou saudades, merecia um Dvd box (como todos os outros exibidos). Como diz o final do tema em português de abertura...: PRA SEMPRE JIBAAAAAN!



Checklist Episódios
01 - Jiban, o policial de aço
02 - Meu adorável mano
03 - A conspiração das verduras
04 - O presente de grego
05 - O robô Halley em perigo
07 - O monstro do resfriado
08 - O ninho da toupeira
09 - O cachorro que mia
10 - A fita do sonho
11 - O juramento do policial
12 - O seqüestro da Yoko
13 - Salvem o jovem que precisa de ajuda!
14 - Amor, a palavra chave
15 - A música do monstro
16 - O monstro invisível
17 - Final triste entre mãe e filha
18 - O triste destino de Ayume
19 - A devolução da agenda
20 - A chuva de dinheiro
21 - O inseto nocivo
22 - O aparecimento de Ayume
23 - O monstro que gostava de desenhos
24 - Bem-vindos ao mundo espiritual
25 - Acabem com a santa!
26 - O dragão do pântano
27 - A transformação dos filhos em satanás
28 - Papai é o Dr. Jean Marrie
29 - Os diabólicos encontros amorosos
30 - O misterioso ataque ao ator
31 - A batalha ninja
32 - Pérola, a moça do além
33 - O nascimento da flor-de-lótus na Garbo
34 - A morte de Jiban
35 - A ressurreição de Jiban
36 - O samurai sonhador
37 - Sou a mais bela mulher do mundo!
38 - A terra natal
39 - O anel bomba de Ayumi
40 - O relógio maluco
41 - A ação da megera
42 - O monstro rock'n roll
43 - O domínio de Biolon sobre Yoko
44 - O talentoso cientista e a criança
45 - Operação Lula
46 - Os dois adoráveis amigos
47 - A operação Natal
48 - O extermínio de Biolon
49 - Aproximação à base secreta de Jiban
50 - A profunda relação entre Naoto e Ayumi
51 - Maboroshi no Mayumi o Kire
52 - Ai no Saishu Kessen




Abertura de Jiban


Detective Motorizado Jiban - Ending


Clipe do Episódio da Morte do Jiban

3 Comments:

Blogger Daniel L. Petersen said...

Muito bakana, Jiban foi por muito tempo um dos melhores programas infantis ao lado de Jaspios e outros, valeu pela lembrança....

10:22 AM  
Blogger Agenor said...

Nossa ! voltei no tempo,ao ver o jiban,muito legal mesmo ...

8:07 AM  
Blogger anderson said...

Olá! Gostaria de saber quem interpreta a música de abertura de Jiban na versão em português?

6:45 PM  

Post a Comment

<< Home